terça-feira, 29 de janeiro de 2013

AS TEORIAS RACISTAS GOBINEAU E CHAMBERLAIN

A origem dos preconceitos raciais se perdem nos tempos. Modernamente, porém, o racismo adquiriu relevância teórica com a obra de José Arthur, o conde Gobineau - Ensaio sobre a desigualdade da raça humana (Essai sur l'inégalité des races humaines), de 1853-5, considerada a bíblia do racismo moderno.
Afirmava ele a superioridade geral da raça branca sobre as outras, e a dos arianos, identificados como os louros de descendência germânica, sobre os demais brancos. Gobineau interpretou a história pelo prisma do conflito de raças e acreditava, por exemplo, que a Revolução Francesa de 1789 foi uma vitória da raça inferior, a de origem celta-romana que ainda sobrevivia na França e que aproveitou a ocasião do assalto à Bastilha para vingar-se dos francos-germanos que, desde o século V, eram a raça dominante no país. Desde então, para Gobineau a França decaíra. No ensaio, o Conde caiu no inteiro agrado do círculo de Wagner, que o jovem professor Nietzsche então freqüentava.
O mais conhecido seguidor e divulgador do ideário racista na Alemanha foi o inglês Houston S.Charmberlain, membro da Sociedade Gobineau e genro de Richard Wagner, que apesar de ser um gênio musical tornara-se um anti-semita fóbico. Chamberlain, que viveu a maior parte do tempo na Alemanha, onde publicou Os fundamentos do Século XIX (Die Grundlagen des Neunzehnten Jahrhunderts) em 1899 - consagrando-se como o verdadeiro "imperador da antropologia alemã" -, defendia a tese de que era inquestionável a superioridade do ser teutônico, louro, alto e dolicocéfalo, sobre todos os demais. Para ele, o homem perfeito, superior, correspondia em geral ao tipo nórdico.
Os alemães, para ele, eram o povo mais bem dotado entre todos os europeus, estando bem mais acima do restante da raça branca. A enorme acolhida que sua obra teve naquela época na Alemanha explica-se por ela ter sido contemporânea ao império guilhermino, então no seu apogeu. O II Reich alemão, formado em torno da Prússia depois que ela alcançou a vitória na guerra de 1870 contra a França, fez da antiga Germânia a maior potência industrial e militar do mundo de antes da Primeira Guerra Mundial. O livro de Chamberlain, como não poida deixar de ser, inflava de orgulho os alemães ao associar a excepcionalidade do momento em que viviam como resultante de um feliz destino racial, determinado pela própria natureza.
Para ele e para os historiadores racistas que o seguiam, a queda do império de Roma deveu-se aos romanos terem-se descuidado da manutenção e preservação da sua superioridade racial. Ao se miscigenarem (mistische) com os povos vencidos, inocularem-se com sangue da raças derrotadas, o que os levou a um enfraquecimento genético e à inevitável decadência. Uma política que almejasse o apuro racial era a conseqüência lógica a ser rigorosamente adotada por qualquer povo consciente da sua superioridade étnica que desejasse manter elevada a sua cultura e o seu domínio.
 
GOBINEAU - UM RACISTA NO BRASIL
 
Um Racista no Brasil
"Je trouve à ce pays un climat détestable/Je n'en garderai pas un fort bon souvenir/ L'air est souvent brumeux el le froid redoutable/ On ne m'y verra pas de longtemps revenir"("Encontro nesse país um clima detestável/ dele não guardarei boa recordação/ o ar é freqüentemente nublado e o frio terrível/ para lá não voltarei tão cedo")
Conde de Gobineau - Amadis, 1876

Paisagem do Rio de Janeiro imperial
Mal o conde Gobineau colocou os pés no cais da Baía da Guanabara, declarou guerra aos da terra. Não hesitou muito em classificar o país como um império de malandros. O calor, as baratas, os insetos de todos os tamanhos, os ratos audazes que cruzavam as casas por todos os lados, as cobras que passeavam pelos jardins, sapos grandes como cachorros, e até vôos rasantes de morcegos fizeram com que ele imaginasse se encontrar num anexo do inferno. E, olhando aquilo tudo, indiferente, com um cigarro enfiado na orelha e um palito no canto da boca, eis o carioca, um contumaz vadio incapaz de qualquer iniciativa.

Beleza sem "natureza moral"
Gobineau no Brasil, ao contrário de Tocqueville na América do Norte, não percebera, ou não quis ver, que o problema da pouca dedicação ao trabalho com que ele se deparou no Brasil devia-se à existência da escravidão. Enquanto Tocqueville, ao comparar os estados de Ohio (livre), com o Kentuky (escravista), deixou páginas de inteligente observação sobre os estragos que o regime servil provocava nos brancos sulistas, deixando-os apáticos, menosprezando o esforço físico, o conde Gobineau atribuía a malevolência que encontrou no Brasil ao miscigenismo. O Rio de Janeiro, disse ele, assemelhava-se a "uma bonita donzela inculta e selvagem que não sabe ler nem escrever", uma paisagem exuberante emoldurada com florestas sensacionais, mas que não estavam impregnadas de "natureza moral". Naquele descalabro - onde o até o círculo diplomático encontrava-se "estagnado em sua própria imbecilidade" - salvava-se o imperador.
Medo da Miscigenação

Ambulantes no Rio de Janeiro
D. Pedro II, homem culto, estimava Gobineau, reservando-lhe horas de boa e variada conversa, não evitando, entretanto, que ele fosse também um outro francês acometido por um "terror religioso" no Novo Mundo. O medo dele porém era outro. Não temia a democracia que por aqui não havia, mas sim um mundo devastado pela miscigenação, quando não pelo absoluto reino da vadiagem. O mau humor de Gobineau nunca o abandonou, mesmo com o imperador correspondendo-se com ele até um pouco antes da sua morte, em 1882, parece que nunca deixou de praguejar contra o que viu no Brasil.
 




 

6 comentários:

  1. Muito bom trabalho. Tenho blogs e me esforço (tempo) para difundir conceitos que criem mentalidades universalistas, sem qualquer ordem de preconceito, sectarismo.

    ResponderExcluir
  2. Ola Gisele.
    Navegando nesse extenso mar da Internet, encontrei esta nau de excelentes informação e por um momento me detive ao lê-lo. Parabéns por este post, continuarei a visitar teu blog, pois muitas e interessantes coisas estão aqui para serem exploradas.
    Respeitosamente
    Prof. Pedro

    ResponderExcluir
  3. Bom trabalho de pesquisa.Gostaria de saber se foi GOBINEAU o autor da famosa observação: " O Brasil que não trate de embranquecer sua população, ou terá problemas " ou algo muito parecido.

    ResponderExcluir
  4. Bom trabalho de pesquisa.Gostaria de saber se foi GOBINEAU o autor da famosa observação: " O Brasil que não trate de embranquecer sua população, ou terá problemas " ou algo muito parecido.

    ResponderExcluir
  5. O MAIOR RACISTA DO MUNDO É AQUELE QUE DIZ QUE É O "POVO ELEITO" POR DEUS! OS OUTROS SÃO SÓ UNS AMADORES!

    ResponderExcluir