terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

CHINA MEDIEVAL

Por volta do século VII, as diferenças entre a China e a Europa eram maiores do que as semelhanças; enquanto na Europa o poder se dividia entre vários senhores feudais, na China, o poder se concentrava nas mãos dos imperadores. Enquanto as cidades européias declinavam, as chinesas floresciam, abrindo inclusive ao contato com o Ocidente. 
Entre os século VII e XV, a China foi governada por quatro dinastias.
China Medieval: Cronologia:
618   -    906               Dinastia Tang                                   
906 - 960     Era das Cinco Dinastias
960   - 1270                    Dinastia Song 
1279  - 1368              Dinastia dos mongóis  
Atualmente, há na China mais de 1 bilhão e 200 milhões de habitantes. É a maior população nacional do planeta. 

DINASTIA SONG
Durante a dinastia Song foram criadas escolas públicas frequentadas tanto pelos filhos de famílias ricas como pelos camponeses. As escolas preparavam os aluno para os concursos de acesso aos cargos no governo. O alto índice de alfabetizados entre a população e a elite gerou um grande número de leitores, que procuravam por obras variadas. Em virtude dessa procura, era grande a produção de livros em toda a China. No século XXI, 1.000 anos após o início da dinastia Song, a economia chinesa tem sido uma das mais promissoras do planeta, com taxas de crescimento em torno de 10%. O crescimento econônimco da China tem se manifestado na área educacional. No ano 2004, a percentagem de chineses que recebiam a educação obrigatória de nove anos chegou a 94%. Nos últimos 15 anos, 94 milhões de chineses saíram do analfabetismo
Pode-se dizer que durante a dinastia SONG houve um renascimento artístico na China.
Contribuíram para isso parte dos servidores públicos cuja formação abrangia o estudo de obras literárias e filosóficas , e o desenvolvimento de habilidade no campo da prosa e da poesia. Um dos funcionários mais destacados foi SU SHI, nascido na província de SICHUAN em 1036, e que adotou o nome artístico de SU SON-PO. Entre outras coisas, SU SHI destacou-se como grande escritor, que modificou o estilo de escrever prova e poesia até aquela época. Por ter ocupado vários cargos no império, até mesmo no exterior, SU SHI teve contanto com diferentes tipos de culinária sobre os quais escreveu um livro. As excelentes habilidades de SU SHI como calígrafo e paisagista renderam inúmeros poemas nos quais ele descrevia as cenas retratadas


A China é detentora da maior tradição mundial na fabricação de cerâmica e porcelana. O reconhecido destaque do país neste campo se deve não apenas à beleza e qualidades técnicas dos produtos, mas também à enorme influência que tiveram tanto na Ásia quanto no Ocidente. A cerâmica foi produzida na China desde o III milênio a.C. Alguns exemplos antigos revelam excelente qualidade e belíssima decoração, mas é apenas a partir da dinastia Han (206 a.C. - 220 d.C.) que tem início uma tradição contínua de fabricação de cerâmica cozida e vitrificada para uso em túmulos. Da mesma forma que os vasos, os túmulos eram feitos de modo a oferecer um retrato da vida na época, com celeiros, casas, lagos para peixes, animais e jogos reproduzidos no barro. Louça cozida também foi produzida, resultando nos produtos da sexta dinastia (251-589) e da dinastia Tang (251-589). A dinastia Song (960-1279) representou a idade de ouro da cerâmica chinesa, com os famosos fornos, tanto no sul quanto no norte da China. O sudeste do país se transformou no mais importante centro de cerâmica a partir da dinastia Yuan (1279-1368). Os chineses desenvolveram o controle sobre o pigmento azul, de modo que ele pudesse ser utilizado em detalhes pincelados. Durante a dinastia Ming (1368-1644), a louça azul e branca alcançou seu ponto alto, especialmente no século XV. Já na dinastia Qing (1644-1911), os esmaltes da "família verde" se tornaram populares no reinado do imperador Kangxi (1662-1722) e a "família rosa" no reinado de Youngzheng (1723-1735). O complexo de fabricação de cerâmica de Jingdezhen teve hábeis diretores durante o século XVIII e desfrutou do patrocínio da corte, especialmente no governo do imperador Qianlong (1736-1795), grande incentivador das artes e colecionador. A cerâmica chinesa produzida após o século XVIII tem sido vista apenas como hábil imitação dos modelos antigos.


A SEDA

Tecido leve e macio, a seda chinesa era e continua uma mercadoria muito apreciada. Produzida pelos chineses há mais de 2 mil anos e consumida pelos europeus desde a época do Império Romano, a seda era uma fonte de lucro permanente para a China; por isso, no passado , o governo imperial chinês ameaçava de morte por tortura aquele que revelasse a um estrangeiro o segredo de como se fazia a seda na China. Somente no século VI d.C os espiões europeus conseguiram descobrir que a seda era feita com o fio delicado que os chineses puxavam dos casulos dos bichos-da-seda. 1-O primeiro passo era plantar amoreiras, serviços feito pelos homens; já a tarefa de colher as folhas das amoreiras era feita pelas mulheres
2-Posteriormente, as folhas das amoreiras eram usadas para alimentar os bichos-da-seda criados em prateleiras cobertas e especialmente produzidas para esse fim.
3-Os vários fios dos bichos-da-seda eram mergulhados em água quente, separados com varetas de madeira e enrolados em bobinas.
4-O fio  enrolado no fuso era tecido por meio de uma roda de fiar. Os teares da China, naquele tempo, eram mais aperfeiçoados do que os existentes em outros lugares da Europa.
5-Os fios então tingidos e, depois, tecidos num tear manual; produzia-se tanto o tecido em cores lisas como o estampado. O trabalho exigia atenção e bom gosto, e era feito por mulheres que aprendiam a fazê-lo em casa, com suas mães, desde meninas.
6-Depois, o tecido era batido com pás de madeira para ficar macio. Em seguida era passado com ferro quente. Vendia-se a seda em peças inteiras ou na quantidade solicitada pelo freguês.

A MURALHA DA CHINA
A muralha da China, atravessa as montanhas chinesas e se estende do Deserto de Góbi, no noroeste do país, até as elevações próximas do Mar Amarelo, no nordeste. A Grande Muralha manteve-se em pé durante séculos de incursões estrangeiras no território chinês. Hoje, no entanto, ela esta ameaçada pelo,descaso das autoridades e pelas obras da civilização moderna
A muralha começou a ser construída por volta de 220. a.C., a mando do rei CH"IN, o primeiro imperador. A obra aproveitou uma série de fortificações construídas pelos governos anteriores. A função da muralha era proteger a China das invasões dos povos do norte. Os imperadores da dinastia CH'IN não deixaram relatos sobre as técnicas e o número de trabalhadores mobilizados na construção. No entanto  pelo estudo das características da obra, sabe-se que os muros eram levantados com grande blocos de pedra, fixados um no outro com uma massa feita de barro. Acreditava-se  também que milhares de operários trabalharam na construção.
Após a morte do imperador CH'IN, as obras foram paralisadas. Elas foram retomadas ao longo dos séculos e finalizadas na dinastia MING, no século XV da era cristã. No período MING a China viveu um grande desenvolvimento cultural e econômico, com destaque para o incremento da exportação de porcelanas e seda para o Ocidente. Perto de Pequim, capital da China, os imperadores MING mandaram construir um cemitério real, onde eles foram enterrados. Na estrada que levava a esse cemitério, colocaram grandes estátuas de guerreiros e animais, feitas para lembrar o poder do império e a bravura de seus soldados. A riqueza da China motivou a retomada da construção. Os muros reforçados e ampliados, introduziu-se pela primeira vez o uso de tijolo, produzidos nas olarias chinesas. Ao final da dinastia MING, a muralha estava com as caractéristicas atuais: uma rede de fortificações com cerca de 7.000 quilômetros de extensão e uma altura média de 7,5 metros. A grandiosidade da obra, porém, não impediu as invasões de mongóis, xiambeis e outros povos que ameaçaram o Império Chinês ao longo da história.




Nenhum comentário:

Postar um comentário